COMPARTILHE clicando em SHARE

Mostrando postagens com marcador Vingança. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Vingança. Mostrar todas as postagens

20130910

SEJA PACIENTE E PERDOADOR

A discrição do homem o torna longânimo, e sua glória é perdoar as injúrias. Prov. 19:11.

Você briga, discute e reclama porque acha que está se defendendo. À luz do conselho de hoje, você perde cada vez que fica nervoso.

A tradução literal do texto seria: “a sabedoria do homem o torna longânimo”. A palavra hebraica é sekel, que significa sabedoria, prudência, e não especificamente discrição, embora a discrição seja parte da sabedoria. O homem sábio é paciente. Não explode diante da primeira provocação. Observa, analisa e estuda a situação.

20130625

Mansidão, um fruto do Espírito

Play



Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a Terra. Mateus 5:5

Aqueles que humildemente se achegam a Deus em busca de conforto e paz em meio à provação são agraciados com a bondade de Cristo. Os que aprenderam dEle, que é manso e humilde de coração, expressam compaixão e manifestam bondade para com aqueles que necessitam de consolo, pois podem consolar outros com o consolo com que foram consolados por Deus. [...]

A mansidão é um fruto do Espírito e uma evidência de que somos ramos do Deus vivo. A presença constante da mansidão é uma evidência inequívoca de que somos ramos da Videira Verdadeira, e que produzimos muitos frutos. É uma evidência de que pela fé temos contemplado o Rei em Sua beleza e estamos sendo transformados à semelhança dEle.

20130604

NO TEMPO DE DEUS




E minha alma se regozijará no Senhor e se deleitará na Sua salvação. Sal. 35:9.

Você já foi vítima de uma injustiça? Alguém tenta destruí-lo e você está chegando ao seu limite? Se é assim, entenderá o que Davi sentia quando escreveu este salmo.

“Levantam-se iníquas testemunhas e me argúem de coisas que eu não sei”, lamenta-se no verso 11. E continua: “Pagam-me o mal pelo bem... como vis bufões em festins, rangiam contra mim os dentes.” Versos 12 e 16.

O que você faria nessas circunstâncias? Davi escreveu este salmo, conhecido como um dos quatro salmos imprecatórios. Imprecar é desejar o mal para o inimigo. O Salmo 109 é o pior deles. Alguns comentaristas contam pelo menos trinta maldições nele.

20130505

PARA A VIDA OU PARA A MORTE





O justo serve de guia para o seu companheiro, mas o caminho dos perversos os faz errar. Prov. 12:26.

A história de Dilma é escabrosa. Foi presa, acusada de contaminar com o vírus HIV um número enorme de pessoas. Confrontada pela justiça, disse que depois de ter sido sempre fiel a seu esposo e ter sido contaminada por ele, saía todos os dias para se vingar dos homens. Ela se relacionava de propósito com todos os que se aproximavam dela. “Queria levar para a morte o maior número de homens”, disse, sem sinal de arrependimento. Dilma não teve tempo de ser julgada. Morreu pouco tempo depois de ser presa.

O caso de Dilma horrorizou a opinião pública. Muita gente dizia entender por que ela havia agido desse modo. Uma pessoa em desespero chega ao limite da irracionalidade. No entanto, o texto de hoje fala do perverso que, sem aparente justificativa, leva o maior número de pessoas para o caminho do mal.

20130429

SEJA UMA INFLUÊNCIA POSITIVA

Pela bênção que os retos suscitam, a cidade se exalta, mas pela boca dos perversos é derribada. Prov. 11:11.

Família de Paiva, missionários assassinados em Palau
Você é parte de uma comunidade. Na vida profissional, religiosa, familiar ou social, você não é uma ilha separada das outras pessoas. Todos dependemos de todos. Todos exercemos influência, para o bem ou para o mal. As palavras e ações são determinantes e ninguém pode evitar as consequências.

Em dezembro de 2003, o pequeno principado de Palau foi abalado com o assassinato cruel de uma família de missionários brasileiros. A polícia prendeu logo o assassino. O país todo estava envergonhado com a ação perversa de um membro de sua comunidade.

Alguns dias depois, chegaram a Palau os pais do missionário. Para surpresa de todos, a mãe enlutada visitou o assassino preso e disse que o perdoava, apesar da dor terrível que estava sentindo pela morte do filho.

Relato pessoal da única sobrevivente da tragédia que vitimou uma família missionária


No dia 21 de dezembro de 2003, o pastor adventista brasileiro Ruimar Duarte de Paiva, de 42 anos, sua esposa Margareth Otoni de Paiva, de 37, e o filho Larisson, 11, foram assaltados e mortos em sua própria casa, perto da sede da Missão da Igreja Adventista em Babelthaup, Palau. A única sobrevivente da família foi a filha do casal, Melissa, com 10 anos, na ocasião.


O pastor Ruimar havia atuado por vários anos no território da União Central-Brasileira. Depois disso, cursou mestrado e doutorado na Universidade Andrews, nos Estados Unidos. De lá, foi servir como missionário em Palau, na Micronésia, onde estava havia 17 meses como pastor da Igreja Adventista de Koror.

20121018

Vingança. Não tome desse veneno!





Não digas: Vingar-me-ei do mal, espera pelo Senhor, e Ele te livrará. Prov. 20:22.

A vingança é uma reação natural diante das injustiças. Poderia até ser considerada justa, do ponto de vista humano. É natural pensar que quem faz algo prejudicial contra outrem deve receber o que merece. Mas o conselho bíblico de hoje é: “Não digas: Vingar-me-ei do mal.”

Dá a impressão de que Deus quer que você aceite passivamente as injustiças. Por que o justo deve suportar em silêncio o abuso do injusto? A segunda parte do provérbio de hoje traz a resposta. A vingança causa mais dano a quem pratica do que a quem a recebe.

20120614

Ódio, vingança e profecia

  Vimos no último programa a 
  bênção profética do patriarca 
  Jacó ao seu primogênito 
  Rubem. Hoje vamos analisar 
  as bênçãos proféticas 
  destinadas a Simeão e Levi. 
  Simeão era o segundo filho 
  de Jacó com Lia. Levi era o 
  terceiro, ambos irmãos por  
  parte de pai e mãe.




No verso 5 do capítulo 49 de Gênesis, Jacó os define: “São irmãos”. Não eram irmãos só na carne, mas eram semelhantes em pensamentos e em ações.

20120409

Vingança

"Eu, porém, vos digo: não resistais ao perverso" (Mateus 5:39).

Uma história em quadrinhos de Charlie Brown ilustra como muitos andam por aí reagindo a insultos.

- Será que eu seria mais popular se tivesse outro nome? – diz Lucy. – O nome errado pode ser um verdadeiro obstáculo para a atuação da pessoa na sociedade. Acho que é importante ter um nome coerente com a personalidade. – E Lucy fica sentada pensativamente, com a cabeça entre as mãos. – Que tal Superlíngua? – tenta ajudar Charlie Brown. O quadrinho seguinte mostra Charlie Brown caído, vendo estrelas. Lucy se vingou!

Um repórter de jornal conta de um homem que matou duas pessoas com uma arma de fogo. – Por que o senhor matou? – perguntou a polícia. – Porque me chamou por palavrões – respondeu o homem.

Usar a violência ajuda a desfazer os bloqueios? Na verdade, a violência não atinge os bloqueios, e sim a pessoa que os erigiu. Caminho errado.

Aqui estão alguns passos para lidar com ofensas que aparecem em nosso caminho. Encontreio-os num livro para adolescentes, chamado Friends Forever, de William L. Coleman. Experimente-os na próxima vez em que se sentir insultado.
1. Saiba classificar os insultos. Alguns têm a intenção de ser amigáveis. Podem machucar, mas a pessoa que os proferiu não pretendia causar nenhum mal. Talvez estivesse tentando dizer: "Gosto de você".
2. Não se sinta atingido. Debite-o na conta de pessoas más. Não permita que o insulto o amargure e magoe. Você não pode impedir que uma pessoa diga certas coisas, mas pode escolher sua própria forma de reagir. Você não precisa sentir-se provocado.
3. Converse com a pessoa. Algumas vezes os amigos nos insultam sem perceber o que estão fazendo. Se isso acontece com frequência, você pode dizer com boas maneiras que tal coisa realmente o incomoda. Os amigos não têm a intenção de magoar-nos. Se souberem que não gostamos de algo, vão parar.

Jesus ensinou-nos a lidar com os insultos. A coisa certa a fazer é ignorar o insulto. Quanto mais cedo aprendermos esse princípio da amizade, mais serena transcorrerá nossa vida.

(Dorothy Eaton Watts. In: Inspiração Juvenil 2012: amigo é pra essas coisas. Tatuí: CPB, 2012. Texto digitado por Reginaldo Santos e publicado no grupo Boas Novas).

A recuperação do presidente

Não insistam em se vingarem, pois isso não compete a vocês. “Minha é a vingança”, diz Deus. “Eu cuidarei disso.” Romanos 12:19, The Message

Todos nós conhecemos a história de como Richard Nixon deixou a presidência dos Estados Unidos, mas quem conhece a história da recuperação de sua imagem?
Aconteceu na época do Natal de 1977. O senador norte-americano Hubert H. Humphrey havia retornado para sua casa em Minneapolis, Minnesota. Sua notável vida política estava quase chegando ao fim. Enfraquecido pelo câncer, Humphrey estava à beira da morte. Na rua atrás de sua casa, um grupo de repórteres já montava guarda para ser os primeiros a relatar sua morte.

Humphrey, o lutador de Minnesota, começou a ligar para os velhos amigos e conhecidos ao redor da nação e do mundo. Aparentemente estava ligando para desejar boas-festas, mas todo mundo sabia que na verdade estava se despedindo.

Ao ligar para o antigo adversário, Richard Nixon, na véspera do Natal, soube que Nixon estava doente, depressivo e solitário. Algo perturbou profundamente Humphrey durante a conversa com Nixon. Na manhã seguinte, ele decidiu ligar novamente para o ex-presidente, o homem que em 1968 havia sido o motivo de sua pior derrota. Ao ligar, Humphrey disse a Nixon que tinha um presente de despedida para ele.

Declarou que sabia que lhe restavam apenas alguns dias de vida e que já tinha feito os acertos para os eventos que seguiriam à sua própria morte: o velório no Capitólio em Washington, o funeral e o enterro em Minnesota. Humphrey convidou Nixon para participar da cerimônia que concluiria o velório em Washington. Disse-lhe que gostaria muito que ele estivesse presente e que ocupasse o lugar de honra digno de um ex-presidente.

Nixon havia deixado a presidência de forma vergonhosa apenas três anos antes e desde então não mais havia voltado para Washington. Sentindo a depressão profunda de Nixon, Humphrey criou espontaneamente uma desculpa a fim de fazer com que seu antigo rival retornasse à capital.

Humphrey faleceu três semanas mais tarde. Durante a conclusão da cerimônia em Washington, a multidão ficou quase sem fôlego ao ver Richard Nixon ser escoltado ao lugar de honra com os outros convidados, próximo ao esquife coberto com a bandeira norte-americana. Ali começou a recuperação da imagem de Nixon. Um presente da graça de um homem à beira da morte.


Para ouvir esta mensagem complementada com uma música clique aqui.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...